Buscar
  • Mario Teixeira

'Pandemia ampliará o significado do design', diz mestre em inovação

O designer Fabio Galeazzo, que coleciona prêmios nacionais e internacionais, acredita que a pandemia irá mostrando aos poucos os caminhos para as construções futuras



O premiado designer de interiores e mestre da inovação, Fabio Galeazzo, fundador da Galeazzo Design, mestre em criatividade e inovação pela Universidade do Porto (Portugal), MBA em design estratégico pela ESPM e com uma agenda repleta de palestras no Brasil e em vários países, falou com exclusividade para o ALIMENTO & AÇÃO sobre o futuro do design, após a pandemia que criou um 'novo normal' no mundo. Ganhador dos prêmios CasaCor SP, Revista Decorar e Planeta Casa, da Revista Abril, no Brasil; e Prix Versailles 2019, na França, na categoria Shops and Stores - América do Sul e Caribe, To The East of the World, na China, em 2014, e Tree Hugger, de 2012, prêmio americano de sustentabilidade, ele tem se debruçado sobre os novos caminhos do design e da arquitetura.


Galeazzo acredita que o mercado de delivery vai ter cada vez mais participação na vida dos clientes e o desafio será criar espaços atrativos para que as pessoas possam sair de casa e viver experiências únicas, com segurança. Não apenas o designs de interiores precisa trabalhar um novo conceito, com o de produtos, oferecendo aos clientes ferramentas para uma vida melhor e mais integrada.


ALIMENTO & AÇÃO - Quais serão os desafios do design de restaurantes e bares para o futuro?


Fabio Galeazzo - Nesse momento acredito que o Covid-19 está nos obrigando a repensar não apenas os restaurantes e bares para o futuro, mas todo um modo de agir e de se relacionar uns com os outros, onde o design terá seu significado ampliado, indo muito além de um recurso utilizado para tornar bares e restaurantes em espaços bonitos e agradáveis, mas para se transformar em uma ferramenta de integração estratégica.

Aqueles que estiverem buscando formulas práticas e caminhos curtos com o objetivo de uma retomada do consumo devem ir com calma, as soluções virão pouco a pouco e aquilo que funcionará para um tipo de negócio muito provavelmente não funcionara para outro. Será um período onde aquela velha frase conhecida por todos nós “um pé no acelerador e outro no freio" nunca antes foi tão assertiva.

Mesmo com a descoberta da vacina, ainda precisaremos de tempo para entender como de fato tudo isso nos impactou e nos impactará daqui para frente, uma coisa é fato, o mundo mudou e a nossa maneira de estar no mundo mudará cada vez mais.

A curto prazo teremos um público consumidor que anseia pela retomada da rotina e dos prazeres do convívio publico, mas não podemos esquecer a médio e longo prazos das gerações mais jovens, que já vinham demonstrando um comportamento mais caseiro, agora potencializado pela pandemia.

A palavra chave para isso tudo é comportamento, pois não bastará aos arquitetos e designers a escolha de materiais e concepção de projetos, precisaremos aprofundar nossos conhecimentos em outras disciplinas tais como: antropologia, psicologia, sociologia, economia, sustentabilidade, entre tantas outras, para entender esse consumidor como um ser humano integral e complexo

Há cerca de um ano mudamos o posicionamento do escritório e começamos a utilizar estudos de comportamento para o desenvolvimento criativo dos projetos comerciais da Galeazzo Design, e agora nesse momento de retorno às atividades percebemos que nossos projetos estão muito mais preparados para reiniciar seu funcionamento frente a seus concorrentes. Durante a concepção do projeto tivemos acesso a uma série de informações que anunciavam mudanças futuras. Claro que não imaginávamos nada sobre a pandemia, mas sabíamos que o consumo estava mudando e percebemos que a pandemia só acentuou uma tendência que já se anunciava.


ALIMENTO & AÇÃO - Você acredita que a pandemia pode criar um novo diferencial no design de interiores?


Fabio Galeazzo. Foto: Jorge Joubert

Fabio Galeazzo - Cada vez mais a cultura de pedir comida por aplicativo seguirá em direção a um caminho sem volta. Porém, a novidade é que ao mesmo tempo esse recurso digital alimentará um fenômeno contrário, uma contra tendência que estimulará uma mudança radical do conceito e do visual dos espaços físicos. Pois conquistar clientes e tê-los como protagonistas do espaço, compartilhando em suas redes sociais experiências em tempo real, será a forma mais econômica e eficiente de garantir a notoriedade que um estabelecimento precisa, seja ele um café, um restaurante, um bar ou até mesmo um hotel.


Trabalhar a experiência será ir além de matar a fome, expertise que nenhum aplicativo irá superar. A experiência gera o sentimento de pertencimento, e é esse sentimento que será responsável por tornar a um lugar inesquecível.


Sentir o cheiro e o salivar, deixar a imaginação fluir e relaxar enquanto é acolhido por um ambiente que provoca, é a experiência que nós designers de interiores iremos vender daqui para frente. Ela gera afetos, conecta lembranças e estimula a imaginação. Os espaços deverão ser pensados a estimular a memória criativa que habita em todos nós e o consumo se tornará uma consequência da experiência.


ALIMENTO & AÇÃO - Se você fosse contratado para projetar o interior de um novo restaurante, quais seriam os pontos mais importantes na sua opinião?


Fabio Galeazzo - Seriam em duas frentes distintas. Uma mais técnica, relacionada ao número de pessoas, estudos de individualidade x coletivo, circulação de ar, revestimentos que facilitem uma higienização constante, etc.

Em paralelo com a mesma importância seriam as interfaces de interação entre as pessoas e os ambientes.

Os ambientes de experiência são o futuro da arquitetura e do design. E quando falamos em experiência, não estamos apenas falando de um espaço bonito, mas de uma arquitetura integrada ao design de interiores, design gráfico e design de produtos, todos juntos trabalhando com a sensorialidade traduzindo o DNA da marca para uma arquitetura do sentimento, onde os ambientes possam interagir com seus frequentadores, para que estes os adotem como parte de si.

Quando a arquitetura esta conectada a estes conceitos de origem, ela trabalha com o inconsciente, estimulando para que o público interaja com o espaço de uma maneira individual, e a partir dessa vivência, é estimulada a entrar em contato com o universo criativo e lúdico que habita em todo ser humano.

Afinal quem resiste às boas lembranças?


ALIMENTO & AÇÃO - Além da questão do ambiente, você acredita que haverá um novo momento no design de produtos para restaurantes e bares?


Fabio Galeazzo - Sim, claro. O design é uma disciplina experimental que muda o tempo inteiro. Para mim, seu papel principal está em trazer ao mundo as soluções para uma vida melhor e mais integrada.

A pandemia nos abriu muitas discussões sobre em que mundo queremos viver daqui para frente, e certamente assim como o design de interiores, o design de produtos passará por um novo momento.

Consumo por consumo, desperdício, o fazer artesanal e o consumo local, são temas, cada vez mais discutidos em nossa sociedade, e claro que isso refletirá no jeito de fazermos as coisas.


ALIMENTO & AÇÃO - Quais as tuas expectativas para o futuro pós-pandemia no teu trabalho?


Fabio Galeazzo - A minha expectativa é positiva, como sempre trabalhamos com inovação, propondo conceitos novos e criativos para nossos projetos, acredito que o mercado estará cada vez mais receptivo para os ambientes de experiência.


Acho que estamos engatinhando nesse setor, que sem dúvida alguma sofrerá mudanças radicais daqui pra frente.

11 visualizações
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter

© 2020 por Mario Teixeira