Buscar
  • Mario Teixeira

No meio da Maré, uma referência mundial na Gastronomia Social

O Maré de Sabores, que nasceu há 10 anos para atender a mães de uma escola do complexo, hoje é referência mundial no trabalho de segurança alimentar


O Maré de Sabores, que completa 10 anos de atividades em 2020, foi um dos finalistas do Basque Culinary World Prize, conferido pelo Centro Culinário Basco, na cidade de San Sebastián, na Espanha, e considerado o Nobel da Gastronomia Social, recebendo menção honrosa. A proposta é incentivar iniciativas que trabalhem para mitigar a insegurança alimentar nas regiões onde atuem e, nesse ano, levou em consideração os esforços de profissionais de todo o mundo para combater os efeitos da pandemia do novo Corona vírus sobre o segmento da Gastronomia e sobre a população.


A iniciativa, segundo a coordenadora Mariana Aleixo, nasceu de um pedido das mães dos alunos do Ciep Operário Vicente Mariano, na Baixa do Sapateiro, por um curso não apenas dos estudantes, mas também para as mães. O projeto, que começou naquela escola, foi tomando corpo e, em pouco tempo, já ocupava a lona cultural da Maré, com oficinas gastronômicas, dentro do eixo de Educação do Redes da Maré. A criação do buffet, que possibilita a capacitação das profissionais e a geração de renda para as famílias, foi um movimento importante diante do questionamento feito em um seminário sobre como aproveitar o que estava sendo apreendido.


"Nasci na Maré, me formei em Gastronomia, pela Estácio de Sá, fui para as cozinhas de hotéis como o Copacabana Palace e o Fasano, entre outros, e essa experiência me fazia questionar muito. Primeiro o meu lugar de mulher de favela, um espaço extremamente masculino, e o que mais me indignava era perceber que uma refeição nesses lugares era o meu salário naquele momento e a renda de uma família da Maré. A Gastronomia, a meu ver, tinha uma contradição social muito grande. Era importante fazer parte daquilo, mas dentro de outros parâmetros que faziam parte da minha realidade", frisou Mariana Aleixo para explicar os movimentos que levaram à criação do Maré de Sabores.


A QUESTÃO SOCIAL


A instrutora Michele Gandra, que participou do primeiro curso no Ciep Operário Vicente Mariano, lembra bem da caminhada até a implantação da Casa das Mulheres, há três anos, onde o projeto se desenvolve hoje. Mais que um simples curso, o projeto fez uma revolução no complexo. Não foi apenas uma mudança na alimentação familiar, mas de relação com a favela, com a sociedade, com a cidade. O Maré de Sabores cresceu percebendo que a Gastronomia era um importante poder econômico da Maré, impactando diretamente nas famílias e nas mulheres.


Eram técnicas novas que se incorporavam à tradicional culinária da região, de forte influência nordestina. O processo de aprendizado foi importante ao mostrar as vantagens de se substituir produtos processados por uma alimentação mais natural, privilegiando os comerciantes da região e fazendo com que houvesse um ganho na qualidade da refeição e garantindo o sustento de todos do complexo da Maré.


Por ocasião da pandemia, usou-se o levantamento de população vulnerável nas 16 comunidades que compreendem a Maré para atender com alimentação saudável famílias que estavam em situação de insegurança alimentar; famílias que tinham como esteio pessoas da terceira idade; e população de rua.


EXPERIÊNCIA AFETIVA


A culinárias da Maré desenvolveu-se a partir da ocupação do território pelas famílias que vieram do Nordeste para o Rio de Janeiro na década de 40, para a construção da Avenida Brasil, que ligava o Centro aos bairros mais distantes. Além das oportunidades na construção civil, indústrias como a Refinaria Manguinhos, que ofereciam um grande número de vagas de empregos, ajudaram a formar um espaço de moradias e gerar prosperidade econômica. Essa culinária verdadeiramente carioca, com forte influência nordestina, é o grande diferencial da Maré.



MARÉ EM NÚMEROS


O Complexo da Maré tem aproximadamente 800 mil metros quadrados, com uma população de 140 mil habitantes e 50 escolas públicas. O nono bairro do Rio de Janeiro tem população maior que 96% das cidades brasileiras. O levantamento de dados, segundo Mariana Aleixo, é feito permanentemente, a fim de identificar as demandas da comunidade por projetos e as ferramentas necessárias para o seu desenvolvimento.


Em termos econômicos, o complexo possui 3.182 estabelecimentos comerciais, sendo 1.118 voltados para a alimentação e a gastronomia, demonstrando bem a sociabilidade do território e a importância do segmento. No total de residências, 49,9% das mulheres com mais de 15 anos são responsáveis economicamente por suas casas, sendo que 30,3% são únicas ou principais provedores, enquanto os 19,1% exercem a responsabilidade de forma compartilhada, não necessariamente com um homem.


Para muitas, a escolha pelo empreendedorismo tem uma face pragmática: 44,3% das mulheres que residem na Maré entre 20 e 24 anos já são mães, o que faz com que muitas prefiram trabalhar em casa para dar conta da criação dos filhos e afazeres domésticos ao mesmo tempo em que garantem o sustento da família.


O PRÊMIO


Criado em 2016, no Centro Culinário Basco, uma universidade dedicada à alimentação, na cidade de San Sebastián, na Espanha, o Basque Culinary World Prize foca em ações sociais na área de Gastronomia em todo o mundo, premiando iniciativas que ajudam na transformação da realidade das comunidades onde atuam. O principal lema da universidade é a cozinha como um motor de mudanças sociais, culturais, sustentáveis ou econômicas. Os jurados desse Nobel da Gastronomia são nomes reconhecidos mundialmente, como os espanhóis Joan Roca, Andoni Luiz Aduriz e Eneko Atcha; a brasileira Manu Buffara; o italiano Massimo Bottura; e o japonês Yoshihiro Narisawa, entre outros.



18 visualizações
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter

© 2020 por Mario Teixeira