Buscar
  • Mario Teixeira

Ação da Cidadania se desdobra em campanhas para combater a fome

Além da campanha emergencial de início do ano, para atender as vítimas de chuvas e enchentes, eles também fizeram outra de março a setembro, por conta da pandemia

A campanha Natal Sem Fome, da Organização Social Ação da Cidadania, fundada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, termina no próximo dia 20 e a expectativa é de alcançar a meta de 2 mil toneladas de alimentos, que serão distribuídas em todo o país. Entretanto, segundo Daniel de Souza, filho do sociólogo, presidente do Conselho da Ação da Cidadania, nunca foi tão importante o trabalho de auxiliar as famílias a sobreviverem a esses tempos difíceis. Esse ano, frisou, foi quase todo de campanhas e, após a entrega das cestas básicas do Natal, já começará o planejamento para as ações do início de 2021.


O ano de 2020 começou para a Ação da Cidadania no dia 17 de Janeiro, quando eles iniciaram uma campanha emergencial para atender as vítimas das chuvas no estado, que durou até fevereiro. Com a chegada da pandemia em março, a ONG iniciou outra campanha contra a fome e contra a Covid-19, que se estendeu até setembro. Foram cerca de R$ 30 milhões arrecadados, atendendo a mais de 2 milhões de pessoas em 26 estados e no Distrito Federal.


'Foi a maior campanha que fizemos, distribuindo 150 toneladas de alimentos por semana para todo país. No total, entregamos 7 mil toneladas de alimentos para 2 milhões de pessoas. Foi uma campanha emergencial, mas permanente. Recebíamos os recursos e comprávamos no atacadista as cestas já prontas e embaladas para a distribuição", frisou Daniel de Souza.


NATAL SEM FOME


Com o fim da campanha da pandemia, a Ação da Cidadania começou a preparação do Natal sem Fome, que começou em 18 de outubro e termina no próximo dia 20 de dezembro, como tem sido feito nos últimos quatro anos. A expectativa é de conseguir entregar 2 mil toneladas de alimentos, distribuindo as cestas básicas para as famílias carentes de todo o Brasil.


'Vamos ter a continuação desse trabalho em 2021, porque acreditamos que a situação estará muito pior do que está agora. Então, entregaremos as cestas do Natal Sem Fome nos dias 19 e 20 de dezembro e 1º de janeiro estaremos arrecadando novamente porque a fome, não só não acabou, mas piorou. E, nos próximos anos, vai piorar muito antes que melhore', lamentou.


PARCERIAS IMPORTANTES


Daniel de Souza ressaltou que esse ano a campanha teve como diferencial ser totalmente online, através da doação de recursos no site, doação de empresas e da sociedade civil e parceiros. Ele agradeceu a solidariedade, que permaneceu firme mesmo apesar da pandemia. E, por conta da Covid-19, criou uma grande rede de solidariedade com várias entidades como a Unesco, o Unicef, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), as agências de alimentação e segurança alimentar da Organização das Nações Unidas (ONU), como a FAO e a WFT (que recentemente ganhou o Prêmio Nobel da Paz), a Fiocruz e o Sesc, entre outros.


'Convocamos todos esses parceiros para fazer essa grande rede, exatamente para que o alimento possa chegar lá na ponta, possa chegar em quem realmente precisa. Foi a primeira vez que tivemos uma rede tão forte', concluiu Daniel de Souza.


AÇÃO DA CIDADANIA EM NÚMEROS


Fundada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, a Ação da Cidadania nasceu em 1993, formando uma imensa rede de mobilização de alcance nacional para ajudar 32 milhões de brasileiros que, segundo dados do Ipea, estavam abaixo da linha da pobreza. Criada no auge do Movimento pela Ética na Política, a Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida se transformou no movimento social mais reconhecido do Brasil. Seu principal eixo de atuação é uma extensa rede de mobilização formada por comitês locais da sociedade civil organizada, em sua maioria compostos por lideranças comunitárias, mas com participação de todos os setores sociais.


Em 27 anos de solidariedade, foram mais de 35 mil toneladas de alimentos arrecadados; 4 milhões de famílias atendidas, sendo mais de 18,4 milhões de pessoas; 1 mil comitês cridos em todo o país e mais de 100 mil envolvidos nessa política de segurança alimentar.



7 visualizações0 comentário
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter

© 2020 por Mario Teixeira